Transição Capilar: o guia que você está procurando

Ok, se ajeita na cadeira que o texto vai ser longo. Eu vou te falar agora como vai ser a sua jornada de transição capilar. Sim, alguns dos segredos de uma transição capilar de sucesso estarão neste postagem.

Preparei esse post para dividir como tem sido minha experiência  com vocês. Os tópicos aqui são os que eu acho mais úteis pra quem ainda se vê meio perdida e não sabe como começar a transição.

É importante salientar que o meu fio é tipo 4C, um dos mais crespos da tabela de tipos de fio de cabelo. A minha jornada tinha tudo pra ser complicada, mas não foi. Eu estou aqui contando a minha história porque tenho certeza que você vai aprender muito com ela. A partir daí você vai ter uma noção de como será a sua transição capilar.

Antes de mais nada, algumas explicações:

  • É importante que você leia este texto até o final e vá tomando notas. É sério :-)
  • Ao mesmo tempo, ao longo do post vou colocar alguns links úteis que vão  te ajudar ao longo da jornada. Esses você guarda pra ler mais tarde.
  • Finalmente, se você decidiu passar pela transição capilar, eu estou bem feliz por você. Sorte no caminho e espero de coração que essas dicas ajudem.

Vamos lá?

Como começar a transição capilar

Antes de mais nada, um aviso: a decisão de passar pela transição capilar não é fácil, mas você precisa tomar.

O processo de transição capilar não é exatamente algo fácil e eu sei que por conta disso, a decisão de começá-la também é um pouco assustadora.

Eu sempre falo que, no meu caso, eu não tive um único dia em que eu parei e falei: “Tá bom, a partir de hoje vou parar de relaxar o cabelo”. Na verdade, para mim foi a soma de alguns fatores:

  • Pra começar, passei por uma fase muito questionadora em que decidi ser mais saudável em relação ao meu cabelo;
  • Depois comecei a questionar a imagem vendida pelas mídias de que o cabelo liso era sempre o mais bonito;
  • Passei a me perguntar em que fase da minha vida eu comecei a enxergar meu cabelo como feio;
  • Me perguntei também como deveria ser a textura natural do meu cabelo, já que eu alisava desde muito pequena e não lembrava direito como meu fio natural era.

Com muitas questões em mente, passei a assistir várias youtubers gringas que compartilhavam suas jornadas de transição capilar. Então o que aconteceu foi consequência disso: comecei a pular um ou dois “retoques” na raiz do meu relaxamento, e a usar penteados de proteção ao invés de alisá-lo. Quando percebi que fazia bastante tempo que eu não relaxava o cabelo, me dei conta que eu estava transicionando o cabelo de uma forma muito natural.

Eu não sei como vai ser com você, mas se você ainda está em dúvidas sobre começar ou não a transicionar o cabelo eu tenho algumas dicas:

  • Encontre um motivo e agarre-se a ele.
  • Lembre-se que em qualquer ponto da jornada, você pode voltar a alisar o cabelo. Eu sei que usar químicas não é o objetivo aqui, mas se isso te ajuda a começar, você pode lembrar que a transição capilar não é um caminho sem volta.
  • Lembre-se também que você não está sozinha.

Depois que você estiver decidida, é só seguir essas dicas:

1 – Comece cortando as pontas do seu cabelo

Na maioria das vezes, quando decidimos fazer a transição capilar, nosso cabelo está danificado por conta das químicas e da chapinha. E você há de concordar que enquanto estamos envolvidas com tratamentos químicos, as pontas são sempre as que mais sofrem: às vezes elas ficam ressecadas, finas, gerando pontas duplas e por aí vai.

Pontas danificadas geram a quebra do fio. É por isso que minha primeira dica para quem está começando a transição capilar é simples: corte as pontas e garanta um bom início de jornada. Assim, você vai garantir fios mais saudáveis e penteados mais “polidos” durante a transição.

2 – Use os primeiros meses da transição para se adaptar ao seu fio natural

Os primeiros meses de transição é de mudanças, adaptação e limpeza.

  1. Mudanças em relação ao modo como você lida com o seu cabelo, como você lida com sua auto-estima e em relação a sua vontade de seguir uma meta até o final.
  2. Adaptação em relação às novas rotinas de cuidados com os fios.
  3. E finalmente a Limpeza de tudo que pode te prejudicar na sua transição.

Portanto, aproveite o começo da transição para se acostumar com hábitos que você vai passar a ter quando o seu cabelo for totalmente natural. Por exemplo, se você ainda não faz isso, comece a dormir com fronhas ou lenços de seda. É uma mudança de hábito que será produtiva com o passar do tempo.

Aprenda a hidratar e selar os seus fios e use o começo da transição para se livrar de produtos que não são para cabelos crespos e comece a tratar os seus fios como se eles já estivessem naturais. Outro hábito interessante é esconder chapinhas e secadores e começar a se acostumar com a ideia de que você não vai lidar mais com estes aparelhos.

3 – Crie um cronograma capilar

No começo de qualquer transição de capilar, uma dica essencial é a criação de um cronograma capilar. Um cronograma capilar é uma lista de atividades planejadas que você vai fazer com o seu cabelo em dias específicos da semana.

Na minha opinião, a melhor forma de passar a transição capilar com fios mais saudáveis é dedicando os primeiros meses a desenvolver uma rotina de bons hábitos para o seu cabelo. Assim, essa rotina vai te ajudar a chegar até o fim da transição entendendo melhor sobre o seu fio e como ele reage a diferentes tipos de produtos capilares.

E esteja sempre preparada pra mudar o cronograma enquanto seu cabelo vai crescendo.

4 – Documente os passos da sua transição

Meu conselho para você: separe uma agenda ou caderninho, ou mesmo um bloco de notas no celular e comece a documentar tudo o que você faz ao seu cabelo. Tire fotos, faça comparações – Mas não exagere para não ficar ansiosa.

A ideia de documentar tudo é que isso irá te ajudar a entender o que funciona e o que não funciona para o seu cabelo. A chave é concentrar-se no que funciona para o seu cabelo e começar a eliminar as coisas que não funcionam. Este processo irá te ajudar, por exemplo, a selecionar os produtos de cabelo certos para o seu tipo de fio.

5 – Abandone desde o início a chapinha, por mais tentador que seja voltar a usá-la.

Eu sei que é difícil. Mas lembre-se que a chapinha não é algo saudável para qualquer fio de cabelo. Aproveite o estimulo da transição para abandoná-la.

Não tá convencida?

Bom, lembre-se que quase todo o cabelo relaxado sofre danos por conta da química, e danos por conta do calor das chapinhas e secadores. Por que continuar danificando o cabelo que vai te ajudar a passar pela transição capilar? E por que correr o risco de danificar o seu cabelo natural? Ao invés de recorrer à chapinha, tente penteados de proteção ou técnicas de texturização antes de apelar para a chapinha.

6 – Reaprenda o que funciona com o seu cabelo

Você vai perceber que a transição capilar também é uma época de testes. Além disso, você vai perceber que nos últimos anos o número de opções de produtos para cabelos crespos cresceu absurdamente.

O que quero dizer com isso? Bom, é que nem sempre o produto indicado por alguma blogueira vai funcionar com o seu cabelo. Mas no final das contas só você mesma vai poder dizer com certeza que algo é bom pra você ou não. Por isso, teste.

E seja inteligente:

  • Se algum produto não deixou o seu cabelo com aspecto saudável depois de certo tempo de uso, considere uma opção alternativa.
  • Não vá fazendo qualquer receita maluca que você lê na internet. Considere conversar com um dermatologista ou um cabeleireiro antes de enfiar qualquer coisa na cabeça.
  • Tenha sempre cuidado com receitas DIY. Elas podem ser perigosas ou até questionáveis.

7 – Lidar com duas texturas de cabelo não é o fim do mundo

Muita gente desiste da transição capilar porque não sabe como vai lidar com as duas texturas do cabelo enquanto os fios naturais ainda estão crescendo. Se esse é seu caso, deixa o medo de lado e saiba que lidar com duas texturas de fio não é tão difícil quanto parece.

  • Faça uma lista de todos os penteados que você pode tentar.
  • Use o Pinterest para se inspirar.
  • Aprenda técnicas de texturização dos fios relaxados.
  • Aprenda a fazer penteados de proteção.
  • Tenha paciência

8 – Métodos de proteção vão te ajudar a seguir com a jornada

Se você está lendo atentamente até aqui, percebeu que essa dica já foi dada algumas vezes. Mas é sério: durante a minha transição, tudo ficou muito mais fácil quando eu investia em métodos ou penteados de proteção.

Pra quem não sabe, penteados de proteção são aqueles onde os fios do cabelo ficam guardados e por conta disso, mais protegidos contra fatores externos que podem fragilizar o fio.

Durante a minha transição usei e abusei de box braids, coques, lace wigs e alongamentos com crochê braids para manter o meu cabelo saudável e protegido.

9 – Proteja o seu baby hair e o começo linha do seu cabelo

Um erro muito comum para quem usa penteados de proteção é esquecer que, quando não feitos da maneira correta, eles também podem danificar nossos fios. Portanto, lembre-se sempre que os fiozinhos que ficam no começo da sua linha do cabelo e no seu pescoço (ao redor do seu cabelo) são mais finos e frágeis do que o resto do cabelo. Evite penteados que coloquem muita tensão nessas áreas.

Sempre que me aventuro em um novo penteado tomo cuidado de cuidar da linha frontal do meu cabelo. E essa dica é fundamental.

10 – Faça hidratações Regulares

O cabelo relaxado, bem como o cabelo crespo, são mais secos e finos que as demais texturas de cabelo. Por conta disso, eles são mais suscetíveis a quebra. Pra evitar que quebras aconteçam, é importante manter os fios sempre hidratados. No meu caso, eu faço hidratações a cada 3 dias porque meu fio é bem fino e seco. Você deve avaliar como o seu fio se comporta e assim montar o seu comportamento.

11 – Evite shampoos com sulfatos

O cabelo natural é diferente de cabeça pra cabeça, mas para todos, há uma regra comum: se você está procurando melhorar o seu cabelo, é hora de mudar o seu shampoo! Os sulfatos são o que criam o efeito espumante quando você lava o cabelo. O problema é que podem ser muito irritantes tanto para o cabelo quanto para o couro cabeludo. Experimente marcas que fabricam shampoos sem sulfato e com ingredientes ricos em emulsão como manteiga de karité, que promovam a umidade, ao em vez de ressecar os fios!

12 – Tenha paciência ao pentear o cabelo. Dedique tempo a esta tarefa

Pelo menos comigo era assim: com o cabelo relaxado eu era extremamente grosseira com o meu cabelo. Com uma escova, desembaraçava todos os fios do cabelo rapidamente e pronto. Bom, você deve imaginar que durante a transição capilar, não vai ser assim.

Especialmente quando você já estiver lidando com bastante do seu cabelo natural, procure ser gentil quando estiver desembaraçando o cabelo. Minha sugestão é simples: divida o cabelo em 4 partes e penteie o cabelo com ele seccionado.

No meu caso, com fios 4C, eu faço o seguinte: com o cabelo dividido em 4 partes, e com ele ainda molhado, eu adiciono uma mistura de condicionador e óleo de coco. Com os produtos no cabelo, eu começo a desembaraçar os fios, começando das pontas até a raiz. Parece algo trabalhoso no começo, mas assim que você se acostuma, vai ser algo muito natural.

13 – Perceba se a quantidade dos seus fios que caem é normal

Alguns especialistas afirmam que a perda de cerca de 100 fios de cabelo por dia é normal, já que o cabelo cresce em ciclos. Eu já falei do ciclo do crescimento de um cabelo aqui no blog, mas vou explicar novamente de maneira rápida.

Primeiro você precisa saber que nosso cabelo cresce em ciclos que consistem em quatro fases: anágena (crescimento), catágena (transicional) e telógena (descanso). Durante o crescimento, há uma outra fase chamada a Exógena, que é onde alguns fios caem/quebram. O fio de cabelo cresce em uma “velocidade” diferente de pessoa pra pessoa, mas de maneira geral, ele cresce cerca de 1cm por mês.  Em algumas pessoas, a fase anágena é mais curta, e estas têm dificuldade em aumentar seu cabelo além de um certo comprimento.

Não quero aqui que você fique contando quantos fios de cabelo perdeu em um dia, ou calculando a velocidade de crescimento do seu fio. Na verdade, minha dica é que você não se preocupe muito com isso a não ser que você perceba que seus fios estão caindo demais.

No caso de fios que estão se quebrando muito, comece a investigar as causas, que podem ser muitas: penteados muito apertados, alimentação ruim, medicações, estresses, doenças, nervosismos, alopécia, mudanças hormonais… Se possível, visite um cabeleireiro para investigar.

14 – Não se renda ao medo ou a vontade de desistir

É fácil sentir medo, ou vontade de desistir. Mas quando o medo bater, lembre-se de algumas coisas:

  • Se você desistir, vai perder os resultados.
  • Você sabe que há muitos benefícios em apostar em fios naturais. Entre eles, o seu fio será mais saudável. Que tal seguir a jornada e ver o quão saudável o seu cabelo pode ser?
  • Seguir até o final da transição é uma prova de que quando você decide fazer algo, você vai até o final sem desistir.
  • A parte “tensa” da transição não dura pra sempre.
  • Você não está correndo atrás de algo impossível. Fazer uma transição capilar é algo totalmente possível e que várias meninas e meninos já fizeram. Se eles conseguiram, você também consegue.
  • No final da transição, você vai ter os seus cachos de volta como sempre quis. Se não gostar, você pode voltar a alisar. Como eu já disse, não é um caminho sem volta.

15- O seu cabelo é o seu cabelo. Pare de comparar sua transição

Deixa eu te contar o segredo: o seu cabelo nunca vai ser lindo como o da Taís Araújo. Mas o seu cabelo sempre vai ser lindo como o seu cabelo.

A comparação é a ladra da felicidade, sabia? Se você comparar o seu cabelo com o dos outros, vai entrar na mesma obsessão que te fez alisar o cabelo da primeira vez. O seu cacho é o seu cacho, e ele é lindo, mesmo que não se pareça com a Youtuber X, ou a atriz Y.

A comparação só é válida se você aprende a amar a si mesmo e a amar o outro também.

16 – O Big Chop não precisa ser traumatizante. Saiba a hora de fazê-lo

Eu tenho um post bem legal específico sobre esse tópico: como saber se é a hora certa de fazer o big chop. Eu sei que cada transição é diferente, mas vou compartilhar minha experiência: ao invés de cortar tudo de uma vez, eu fui aparando pequenas quantidades das pontas de cada vez. Assim, não foi uma mudança drástica.

Mas se você prefere cortar o cabelo logo, aqui eu já compartilhei aqui 10 coisas que você precisa ter por perto no dia, e depois do seu Big Chop para que a experiência seja linda.

17 – Cuide da alimentação

Você já deve ter ouvido por aí: “a gente é o que a gente come”. Bem, isso é verdade. Se você come alimentos ricos em substâncias nutritivas e saudáveis, o seu corpo vai se beneficiar disso, e por consequência, o seu cabelo. Se você se alimenta mal, seu corpo também vai sofrer.

18 – Não ligue para os comentários alheios

Quando você passar pela transição vai perceber que as pessoas vão se sentir livres pra fazer comentários não solicitados sobre o seu cabelo. Eu sou testemunha viva disso: como durante a transição eu faço muitas mudanças entre penteados de proteção, todo mundo tem uma opinião não solicitada.

Dizem que preferem assim ou assado, que eu deveria fazer isso ou aquilo e por aí vai. Você vai ter que aprender a lidar também com esse tipo de coisa e é extremamente irritante, mas com o tempo você vai aprender a responder tudo isso. No meu caso, costumo dar patadas graciosas porque é sempre divertido :-)

19 – Exercite a sua auto-estima

Lembre-se que você é linda, não importa o que tem na cabeça ;-)

A transição capilar é também uma transição mental, de aprendizado, de amor próprio e de descobertas. Aproveite essa jornada pra aprender a se amar e a se cuidar cada vez mais.

You go, girl.

E é isso. Espero que eu tenha te ajudado de alguma forma.

Se tiver dúvidas, deixa aqui nos comentários.

 

Stephanie Pereira

Stephanie Pereira

She is just a girl, and she's on fire.

Deixe um comentário