Chapinha e secador faz mal ao cabelo?

1

O cabelo passa por tinta, alisantes, secador, chapinha e ainda assim, não há alívio. Um estudo no Brasil alertou que esses procedimentos afetarão definitivamente a estrutura do fio.

As pesquisas mostram que nenhum tipo de fio capilar escapa, e que para evitar danos é necessário medidas mais seguras.

Tratamentos térmicos como chapinhas podem danificar a estrutura interna do fio, ou seja, a camada de pele. O calor desnatura (muda de forma) a queratina, que é a proteína responsável pelas propriedades mecânicas (como elasticidade e resistência do cabelo).

Portanto, essa mudança na estrutura interna pode afetar negativamente o segmento.

No experimento, o cabelo foi exposto a diferentes temperaturas por meio de um secador de cabelo e chapinha, e foi avaliado a perda de queratina de cada fio segundo a temperatura.

Um dos resultados mais marcantes é a fragilidade dos cabelos afro. Em comparação com outras amostras, a resistência desses fios é menor.

Os danos que podem ser causados

A maioria das chapinhas disponíveis no mercado brasileiro, trabalha com cerca de 150; C. Aparentemente, eles não danificariam seriamente o cabelo, de acordo com o estudo. Mas é preciso lembrar que quem usa esses aparelhos no dia a dia, o que é comum, expõe mais os cabelos ao risco de fragilizar os fios.

Nas mulheres, após a menstruação, parte do volume do cabelo é perdido e ele fica mais fino. Isso não acontece de repente, mas à medida que seus ciclos menstruais continuam. Devemos também estar atentos ao fato de que com tratamentos como as vitaminas certas, você cuida dos cabelos que ainda não nasceram.

A única forma de acabar com os dados é tratar os fios reduzindo os efeitos dos produtos.

Protetores térmicos testados

Foram testados dois tipos no mercado: condicionador leave-in (sem enxágue) e óleo de silicone. De acordo com os resultados, se o cabelo foi submetido a algum tipo de tratamento químico (descoloração / coloração clara / poroso), é mais indicado o uso de líquido.

Eles permanecem aderidos à superfície dos fios de cabelo e têm menor permeabilidade do que os condicionadores leave-in. Por exemplo, os condicionadores leave-in têm maior probabilidade de penetrar no cabelo porque contêm umidade.

Pesquisador comparativo. Em cabelos puros com superfície mais uniforme e não porosa, pode ser necessário o uso de óleo de silicone e condicionador leave-in.

Dessa forma, os resultados do estudo brasileiro podem ajudar a embasar essas prescrições. ; (A pesquisa) traz informações que ainda não obtivemos.

Normalmente, a dermatologia levanta muitas dúvidas sobre os efeitos desses produtos, pois muitas vezes os pacientes usam protetores térmicos e abusam dos secadores e chapinhas, pensando que podem realmente protegê-los e isso não vai acontecer.

As indústrias precisam ser capazes de direcionar produtos para cabelos virgens e tratados quimicamente. Sabendo que o calor pode danificar a estrutura interna dos fios, os consumidores poderão aproveitar o que proporcionará melhor proteção, dependendo de sua etnia e tratamentos anteriores, bem como recorrências de intervenções estéticas.

1 Comment
  1. […] 1 frasco de glicerina líquida bidestilada + 2 colheres de máscara hidratante à sua […]

Leave A Reply

Your email address will not be published.